As maldades de Schopenhauer contras as mulheres (parte II)

     A 1ª parte aqui publicada na semana passada sobre o tema acima, aborda dois pontos: os filósofos e as mulheres e Schopenhauer e as mulheres, especificamente, dentro e fora do pensamento filosófico. O pano de fundo é a obra “A Arte de Lidar com as Mulheres”, do filósofo alemão ora analisado, com a fascinante “introdução” do também pensador, o italiano FRANCO Volpi (1952-2009), o qual dividiu a sua análise em 5 partes: vamos às 3 que ainda restam.
     
     De fracasso em fracasso – Logo após afastar-se da mãe por não aceitar o comportamento dela, o jovem Artur “tivera uma oportunidade de ouro para corrigir sua pessimista imagem do outro sexo”. Logo vem seu primeiro “castigo”. Apaixona-se por Caroline Jagemann, prima-dona no Hoftheater de Weimar, a qual, posteriormente, tornou-se amante do duque Karl August. 
     Contudo, “o amor permaneceu platônico”. Anos depois, quando se viram em Frankfurt, nada mais tinha sentido. O velho filósofo contou à sua musa, “a história dos porcos-espinhos”, publicada num de seus livros: esses animais, “para se proteger do frio do inverno com seu calor, queriam ficar bem perto uns dos outros, mas seus acúleos sempre os espantavam, obrigando-os a se afastar”. É exatamente isso que ocorre com as pessoas, quando o amor não é correspondido, comparou o mestre.
     Em 1814, no auge de sua mocidade – aos 26 anos -, Schopenhauer teve um herdeiro com uma jovem camareira, em Dresden. Mas “o filho do pecado morreu pouco depois do nascimento”. Apesar da declarada misoginia, “nosso filósofo tendia à “paixão longitudinal” e não renunciava absolutamente aos prazeres da carne. Em suma, pregava mal, mas sabia praticar muito bem”.
     Aos 30 anos, em 1818, esteve na Itália pela 1ª vez, e quando chegou a Veneza, logo aventurou-se com Teresa Fuga, “uma dama de costumes fáceis”. Foi por causa dela que o moço perdeu o encontro com o poeta inglês Byron. Porém, ficou cismado com a história contada por um tal Robert von Hornstein, que só naquele ano os 3 estiveram na mesma hospedaria: o inglês, o alemão e o italiano Leopardi. A procura de quem? De Teresa, é claro.
     Em Florença, o encrenqueiro filho de Johanna “enriqueceu o catálogo de suas conquistas”. Por lá estava uma nobre inglesa a fim de curar-se da tuberculose, quando Artur foi acometido de “profunda paixão”, e a “armadilha” do matrimônio, “a que a natureza nos conduz” estava prestes a acontecer. Porém, a doença da amada fê-lo recuar do casamento. Todavia, segundo Adele, irmã do pequeno sabichão, essa nobre, foi para sempre, o grande amor da vida dele.  
     Já em Berlim, o colecionador de fracassos amorosos, “buscou consolo nos braços da corista Caroline Richter Medon”. Queria extrair dela o néctar do verdadeiro amor. A relação foi instável, mas intensa e mantida em segredo por muito tempo. Quando esteve na Itália pela 2ª vez, por quase 1 ano, soube que Medon deu à luz um belo menino: Carl Ludwig Gustav Medon. Era tudo muito estranho. Mas em seu caderno, o marido esclareceu tudo e escreveu: “Os homens são, durante a metade de suas vidas,  fornicadores e, na outra metade, maridos traídos; e as mulheres se dividem, de acordo com isso, em traídas e traidoras”.
     Muito chateado, a princípio, ele tentou vingar-se, ao conhecer Flora Weiss, de apenas de 17 anos, filha de um comerciante de arte. Apesar dos seus quase 40 anos (1827), fez-lhe proposta de casamento. Logo ele: “CASAR-SE!” – “significa enfiar a mão em um saco, de olhos vendados, na esperança de descobrir uma enguia no meio de um monte de cobrar”, ou ainda, “dividir seus direitos ao meio é dobrar seus deveres”.  A proposta foi recusada: “Ainda é uma menina!”, respondeu o pai comerciante. ” A mocinha não quis saber de conceder a sua primavera ao enrugado pensador”.
     Em 1831, ele deixa Berlim rumo a Frankfurt, mas quer levar consigo a traidora Caroline e o fruto da traição, Gustav Medon. “Como boa mãe que era”, o frustrado Artur teve que partir sozinho. As portas que davam acesso ao seu coração estavam começando a ser fechados por fora e, por alguém  que sabia muito bem quem era: uma mulher.
     Tem mais: não satisfeito com as suas desventuras, certa feita, Schopenhauer espancou uma costureira que era sua vizinha, a senhora Caroline Marquet, que tagarelava com outras comadres, inquietando o pensador. Resultado: o processo durou 5 anos, e no fim o agressor foi condenado a pagar à vítima, “uma pensão vitalícia”. Depois que ela morreu, o culpa escreveu esse jogo de palavras: “Obit anus, abitonus”, ou seja, “A velha morreu, o ônus diminuiu”.
     Depois de se transferir definitivamente para Frankfurt, renunciou para sempre a ideia do casamento. “Porém, não às mulheres em absoluto, ou melhor: a uma ‘petite liaison si nécesaire'”. Resultado: desse relacionamento, nasceu outro filho ilegítimo, morto pouco tempo depois do parto.
     
     “Dulcis in fundo” – Na velhice, uma surpresa. Enquanto “o Nilo está chegando ao Cairo” (palavras sobre ele mesmo; sobre o fim da própria vida), por achar que estava”libertado” das correntes do sexo, “o Cupido lançou uma última, inócua flecha: uma jovem escultora, Elisabeth Ney, com o intuito de realizar um busto do sábio, visitou-o no outono de 1859 (ele com 71 anos) e se estabeleceu em sua casa por quase um mês. “O ancião ficou entusiasmado. A jovem artista fez vacilar nele a imagem pessimista que alimentava sobre a mulher desde os conflitos com a mãe e teorizada durante muitos anos em bases pseudometafísicas. 
     Por fim, teria dito que a mulher consegue destacar-se mais do que o homem.  Segundo ele, o homem marca “um limite”, a mulher, por sua vez, “se desenvolve cada vez mais”.
     A mulher sem qualidades – “A arte de lidar com as mulheres” “é um florilégio de sentenças em que Schopenhauer expõe sua concepção da mulher”, com escritos editados e inéditos, sobretudo a célebre “Metafísica do amor sexual”.
     Explica FRANCO que o resultado do presente “manual” vem de um apanhado de temas de diversas obras daquele pensador. “Não somente isso: a antropologia schopenhauerriana do comportamento feminino, que nas intenções é científicas e objetiva, trai, na verdade, toda a preocupação de quem foi atingido em sua parte mais sensível e escreve cum ira et studio.  
     Verdadeiramente, as observações de Artur, “tornam-se mais um catálogo de conselhos para advertir o sexo masculino das fatais insídias, dos riscos e dos extenuantes conflitos que inevitavelmente estão ocultos no relacionamento com as mulheres”.
      Ao término de sua análise, Volpi admite ser fácil para o mundo atual, compreender porque Schopenhauer  ignorou em seu repertório “a inexaurível riqueza do eterno feminino”, como conceitos do tipo: “femme fatale, femme fragile ou femme vamp” . “Enfim: a sua mulher é uma mulher sem qualidades. Mas por outro lado, deixou “proposições ricas de amenidades”.
     Seja  como for, o estudioso teve tempo suficiente para rever suas concepções. Não o fez. Deixando, portanto, um tratado (de caráter filosófico, sociológico e antropológico) perfeito para os que pretendem, até hoje, desvalorizar a mulher em todos os aspectos, em todos os sentidos. Fica a critério de cada um, de cada uma,  que nos acompanha semanalmente, concluir seu pensamento. O tema está lançado. Não para polemizar, mas para conciliar. E que todos possam viver harmoniosamente: em PAZ.
    “O CORAÇÃO DE UMA MULHER É UM OCEANO PROFUNDO  E CHEIO DE MISTÉRIOS“.
                                                              (personagem do Titanic, de Spielberg)
     Pesquisa: Francisco Gomes. Texto: Winnie Gomes
     Fontes
     1. Slideshare.net
     2. A Arte de lidar com as mulheres, de Artur Schopenhauer, com introdução de FRANCO Volpi.
     3. Os grandes clássicos da Literatura, volume 3, brasileira, SP, 1982.

Um comentário em “As maldades de Schopenhauer contras as mulheres (parte II)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s