Memórias Precoces de Brás Cubas

Em junho de 2039 o Brasil estará lembrando o bicentenário do nascimento do notável escritor carioca Machado de Assis (1839-1908), do qual herdamos uma rica produção literária: contos, romances, poesia, peças de teatros, etc, que continuam em evidência, não somente no Brasil, mas também em outros países, onde as obras foram traduzidas.

De origem humilde, somente aos 18 anos o jovem foi contratado por Paulo Brito, dono de uma tipografia e livraria, para corrigir os originais dos trabalhos que lá chegavam. Machado foi operário gráfico, revisor de editora, vendedor de livros, jornalista e escriturário de repartição pública. E, tanto na vida particular quanto na pública, soube manter “decoro, compostura, respeito à autoridade, modéstia, timidez, espírito conservador, hábitos rotineiros”.

Porém, essas características não o impediam de frequentar ambientes intelectuais, nem deixar de ser amigo de grandes homens, de pessoas famosas. Constantemente ia à Livraria Garnier, onde tinha cadeira cativa. Toda tarde, após sair do trabalho, lá comparecia para discutir literatura e outros temas pertinentes. Homens já conhecidos do meio jornalístico e literário se faziam presentes.

Com o passar dos anos foi conquistando seu espaço no meio intelectual. “Mais tarde ainda, alcançou a glória da ABL, que ajudou a fundar e da qual foi aclamado presidente perpétuo”. Por sinal, lá seu corpo foi velado no dia 29 de setembro de 1908 e homenageado com discurso emocionante de Rui Barbosa. Passado mais de um século de sua morte, até hoje seu nome é lembrado do público, que o reencontra nas personagens de seus livros. Drummond , por exemplo, dedicou-lhe o memorável poema: “A um bruxo, com amor“.

Um dos livros machadianos mais lido é “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de 1881, que marca o início do realismo na literatura brasileira. Publicado no ano anterior em formato folhetim – prática usual à época -, cujos capítulos eram editados diariamente em jornais. São 160 deles: o primeiro, “Óbito do autor”; o último: “Das negativas”. Para quem não conhece, trata-se de um trabalho fascinante.

O romance é a autobiografia de Brás Cubas, protagonista narrador que, depois de morto resolve escrever suas memórias: dos amores juvenis ao doutor adulto e ocioso e que, teria almejado uma carreira política. Sem no entanto, acontecer. Suas aventuras amorosas, quase levam a própria família à falência. Por isso é enviado pelos pais a Europa, “de onde volta doutor, às vésperas da morte da mãe”.

Contudo, o moço não toma jeito. Continua aprontando… “Sem objetivos na vida e entediado, Brás Cubas reencontra Quincas Borba, um colega de infância que se diz filósofo e que expõe sua filosofia, o Humanismo. No primeiro reencontro dos dois, Quincas, “pobre e miserável”, rouba o relógio do amigo. Algum tempo depois, “graças a uma herança, refaz suas finanças e repõe” o objeto.

Borba, no entanto, não vai muito longe na vida: fica louco. Por sua vez, Cubas procura “uma forma de viver menos tediosa”. Tenta a política, não deu certo. Pensa em produzir um remédio: “EMPLASTRO BRÁS CUBAS”. Mas, quando sai “à rua para cuidar de seu projeto, molha-se na chuva e apanha uma pneumonia da qual vem a falecer, acompanhado, em suas últimas horas, de alguns familiares e de Virgília” (1). Virgíla? Sim. Apesar de casada, fora sua amante no passado. Aliás, de quem ficara grávida, e “a criança morre antes de nascer e os amantes separam-se”.

Memórias… é realmente uma obra grandiosa, perpétua. Machado de Assis, assim como Fernando Pessoa, surpreende o leitor. Sempre! O mesmo faz Brás Cubas, quando, da sua “apresentação” (Ao Leitor), garante que seu livro terá no máximo cinco leitores. Porque “trata-se, na verdade, de uma obra difusa“, e ainda adota a ironia (“rabugens de pessimismo”). “Pode ser. Obra de finado (“trabalhada lá no outro mundo”). Escrevi-a com a pena da galhofa e a tinta da melancolia, e não é difícil antever o que poderá sair desse conúbio”.

No capítulo I, quando o vivo-morto expõe o plano de sua obra e narra sua morte (ÓBITO DO AUTOR), diz: “Algum tempo hesitei se devia abrir estas memórias pelo princípio ou pelo fim, isto é, se poria em primeiro lugar o meu nascimento ou a minha morte”. Porém, no seu interior gélido, dizia consigo mesmo: “Morte! morte!”, ao contrario de: “Vida! vida!” E assim fez: morrer antes de viver. “A vida estrebuchava-me no peito com uns ímpetos de vaga marinha, esvaia-se-me (hoje esvaias-me) a consciência, eu descia à imobilidade física e moral, e o corpo fazia-se-me (hoje fazias-me) planta, e pedra, e lodo, e cousa nenhuma” (1).

A genialidade de Machado de Assis, não para por aí. Ele determina que Cubas narre dessa forma o seu óbito: “Morri (aos 66 anos) de uma pneumonia; mas se lhe disser que foi menos a pneumonia, do que uma ideia grandiosa e útil, a causa da minha morte, é possível que o leitor me não creia, e todavia é verdade. Vou expor-lhe sumariamente o caso. Julgue-o por si mesmo” (1).

Tem mais. O morto segue (!?) para o último momento de sua morte – incrível – quando relata no capítulo final do livro, o de número 160 (DAS NEGATIVAS), o seguinte: “Não alcancei a celebridade do emplastro, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto […]. Somadas umas cousas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e conseguintemente que saí quieto com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a esse outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: – Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria” (1).

Confesso que pretendia complementar com mais algumas negativas que empurram o Brasil ladeira abaixo. Por exemplo: sem controle de natalidade; sem reforma agrária; sem governo decente; sem moralidade no legislativo; sem política partidária idónea, etc, etc, etc. Passados 140 anos do lançamento de Memórias Póstumas de Brás Cubas, o Brasil convive com dois tipos pobrezas: a que atinge milhões de brasileiros pela desigualdade social; e a que afeta outros milhões pela fragilidade cultural, moral e intelectual. Se Machado de Assis pudesse voltar a escrever esse mesmo livro, seu título seria: Memórias Precoces de Brás Cubas. No primeiro, o narrador começa pelo seu óbito. No atual, ou seja, no segundo, iniciaria sua narrativa falando sobre a sua vida. Curta vida, aliás. Mas, viveria o suficiente para explanar tintim por tintim “o legado da nossa miséria”.

Que esse relato, como disse Cubas (“julgue-o por si mesmo”), assim seja feito pelos nossos leitores, também.

Notinha útil em três atos – O nosso blog parabeniza os milhões e milhões de trabalhadores espalhados mundo afora, pela passagem do DIA UNIVERSAL DO TRABALHO, com estas palavras do poeta Gonzaguinha: “Um homem se humilha/Se castram seu sonho/Seu sonho é sua vida/E a vida é o trabalho/E sem o seu trabalho/Um homem não tem honra/E sem a sua honra/Se morre, se mata” (in “Guerreiro Menino”); – A fundadora do Facetas Culturais – que hoje chega a edição de n° 301 -, Winnie Barros, está aniversariando hoje. À mesma, os nossos parabéns! Que tenha muita saúde e vida longa; e – No dia 1º de maio de 1829, nascia em Mecejana (CE), José Martiniano de Alencar, e morreu no Rio de Janeiro, a 12 de dezembro de 1877. Trata-se do grande escritor José de Alencar, autor de livros memoráveis como “O Guarani”, “Iracema”, “As Minas de Prata”, entre outros. Alencar chegou a ABL por intermédio do amigo Machado de Assis.

Por Angeline e Francisco Gomes.

Fonte: 1. Machado de Assis. Coleção “Literatura Comentada”, SP: Abril Educação, 1980.

Um comentário em “Memórias Precoces de Brás Cubas

Deixe uma resposta para joaomedeiros2242 Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s