“A oração universal”, de Pope

“Conheça a si mesmo,/não examine Deus;/O estudo da humanidade/centra-se no homem”. Apesar de ser considerado um dos maiores poetas da da língua inglesa do século XVIII, e, importante representante do neoclassicismo, Alexander Pope (1688-1744), estava acostumado com a zombaria de seus rivais literários por seu um adulto corcunda, de 1,5 metro de altura, além de… Leia mais “A oração universal”, de Pope

Amazonas: “Cultura, história e memória” – 1ª parte

A leitura proporciona ao leitor a descoberta de um mundo verdejante e cheio de ideias fascinantes, em todos os aspectos do conhecimento. Sempre alimentei o hábito da leitura de livros, revistas, jornais, etc. Faço isso há 45 anos quando passei a ter contato direto com essas obras, na adolescência. Ao longo desses anos, em cada… Leia mais Amazonas: “Cultura, história e memória” – 1ª parte

“Arte de amar”, de Manuel Bandeira

A obra do poeta pernambucano Manuel Bandeira (1886-1968) continua sendo referência para a literatura brasileira. Abre-se um livro didático, geralmente preparado para crianças e adolescentes, e lá estão os maiores nomes da prosa e da poesia nacionais. Os autores têm muito cuidado na contextualização dos conteúdos, para proporcionar aos estudantes melhor compreensão e maior aprendizado.… Leia mais “Arte de amar”, de Manuel Bandeira

Aprendi com William Shakespeare

Na minha adolescência, eu descobri um poema de Shakespeare (dramaturgo e poeta inglês, 1564-1616), intitulado “O Menestrel” (inclusive tem o vídeo de um artista recitando, lindamente). Mas, ano passado o meu pai (fundador desse blog) encontrou o poema na íntegra, num livro de Língua Portuguesa, intitulado “Simples Palavras”. Decidi compartilhar com vocês o poema. Acredito… Leia mais Aprendi com William Shakespeare