O encanto ‘extra’ de Rita Benneditto

Até o final da década de 90, era muito comum, entre os adeptos do vinil ou da fita K7, ficar aguardando o lançamento do ano do artista preferido. As gravadoras, quase todas, faziam essa divulgação no segundo semestre. A CBS, por exemplo, no mês de dezembro, fazia chegar às discolândias de todo país, o disco de Roberto Carlos. As rádios não paravam de tocar, as vendas estouravam; e os presentes natalinos, idem.

Assim ocorreu com Extra de Gilberto GIl, em 1983, quando a música-título tornou-se um hits em todo Brasil. A ouvia pelo rádio, ou raramente pela TV chuvisco em preto e branco e cantarolava estes versos: “Baixa/Santo Salvador/Baixa/Seja como for/Acha/Nossa direção/Flecha/Nosso coração…”. Porém, só fui conseguir o LP em março de 1984. Distante, tudo era muito difícil até chegar da capital Manaus ao interior, quando ouvi outros sucessos: Punk da Periferia, A Linha do Tempo, Mar de Copacabana, Funk-se quem puder, etc.

Passados 31 anos (de 83 a 2014), a cantora Rita Benneditto (ex-Rita Ribeiro. Não confundir com a autora de Minha Rainha), lançou Encanto, com 13 faixas, como Água (Djavan), (Roberto e Erasmo Carlos) e Extra (Gilberto Gil). O CD é excelente em tudo: direção, produção, arranjos, seleção musical, interpretação, arte fotográfica, etc. No encarte, Rita escreve: “Agradeço ao meu fiel e especial público pela vibração e alegria em todos esses anos”. Extra, é um espetáculo à parte, pelas participações especiais de Reggae B e Priest Tiger e, também pelos efeitos e arranjos vocais de Bid, que são majestosos.

Rita é encantadora. Rita encanta. Rita canta. Encanto é assim: pura beleza musical. A artista sabe o valor do seu trabalho. Está engajada com projetos culturais e defende a categoria artística. Em entrevista a 18.10.18 ao programa Escala Brasileira da Rádio Senado, comandado por Alcebíades Muniz Neto, ela revela a origem de sua formação musical como “cria da rua”, ou seja, um punhado da manifestação cultural popular do Maranhão, regado a muito reggae, MPB, Brega e até mesmo da música norte-americana. Numa época que era tudo muito difícil antes do início da carreira. Tempo em que o rádio foi fundamental nesse processo.

Em meados dos anos 80, segundo a entrevistada, São Luís (MA), vivia um período de efervescência cultural muito forte: fosse pela poesia, música, teatro, ou dança. Foi dessas fontes que Rita extraiu a seiva para sua música. Como Meu Amo, do 1º disco, que diz gostar muito, como 7Marias de outro trabalho, em homenagem a mulher: Sua liberdade. Sua força. Seu empoderamento. “A canção é uma reverência ao sagrado feminino. A força natural e divina das mulheres em sua máxima expressão de afirmação e igualdade”, completa.

Sobre a questão cultural brasileira, no geral, foi enfática ao dizer que “vivemos um total retrocesso na área de cultura”. Estamos muito atrasados; os incentivos no setor são parcos, por um lado. Por outro, sem querer generalizar, “o próprio brasileiro não busca” sair dessa condição. São sinais da raiz cultural desde o período da escravidão. É o chamado “complexo do vira-lata”‘. Esse “modelo” comportamental se reflete assim: “Pobres entre outros pobres/Pobres entre outros bichos”.

Seu 2º disco, Filhos da Precisão, a canção homônima traz estes versos sobre a nossa realidade: “Os filhos da precisão/Pedirão mais por um destino/Do que por sair da lama”. Mas, admite ser a música uma forma de ajudar na melhoria da nação, “em todos os sentidos”, uma vez que essa arte, quer dizer, “a música é como a água, necessária”, sempre.

Alcebíades quis saber sua opinião sobre a profissão do músico, do compositor, do cantor, do artista enfim. Rita responde: “Há uma diluição muito grande. Porém, o artista deve tornar-se forte”. Não pode perder jamais o interesse pela sua criação, pela manifestação artística, que alimenta, não somente a música, mas todas as artes existentes, seja no Brasil ou em qualquer lugar da Terra.

Também falou do CD Encanto e das canções nele contidas , por exemplo, tornou-se nome de show em março de 2015 e ganhou videoclipe. Falou também da aceitação do seu trabalho no exterior, como nos Estados Unidos da América, Hungria e França. E, ainda, do projeto Tecnomacumba, que trata-se de um manifesto da nossa brasilidade, o qual já tem mais de 15 anos (2003) de existência e já foi até tema de show que contou com a participação de outros artistas. Quem acessar essa entrevista verá que é uma verdadeira aula de ambas as partes: Alcebíades versus Rita.

Quem é essa cantora e compositora? É a Rita de Cássia Ribeiro, de 54 anos, nascida no Município de São Benedito do Rio Preto (MA). Daí a origem do seu nome artístico a partir de 2012, tanto referente a sua terra natal como também ao seu pai, Fausto Benedito Ribeiro. Nas duas primeiras décadas de carreira, a partir dos anos 90, ela assinava sus letras como Rita Ribeiro. Não “misturar” as coisas (como ocorre na internet) com a outra Rita, autora de Minha Rainha. Por sinal, um clássico nas vozes de Nelson Gonçalves, Noite Ilustrada entre outros. Por sinal, a Benneditto era uma criança, quando a outra Rita compôs estes memoráveis: “Um dia você pensar direito/E vai procurar um jeito,/Para me pedir perdão”.

Finalmente, vamos nos precaver com estes proféticos versos do poeta Gil, da última estrofe de Extra: “Eu, tu e todos no mundo/No fundo tememos por nosso futuro/ET e todos os santos valei-nos/Livrai-nos desse tempo escuro”. Verdade, precisamos fechar este ano com chave de ouro. Que esse “tempo escuro” que perturba o mundo inteiro com dias sombrios, finde e a luz da vida volte a brilhar em todos os lugares, em todas as classes sociais, todos os Continentes – pax, pax!

Notinha de agradecimento – Eu e Angeline estávamos concluindo este artigo, quando bateu em nossa porta, o amigo Antônio Carlos Lacerda de Souza, e pelo qual fui presenteado com as obras “Vicente HUidobro e Manuel Bandeira”, por Carlos Nejar e Juan Antonio Massone, respectivamente e “Versos de Sangue em Multicores”, do poeta labrense Elias de Souza, o nosso muito obrigado. Mais duas obras necessárias para os nossos estudos; para a nossa biblioteca

Por Francisco e Angeline Gomes

Fontes 1. LP “Extra” e encarte, de Gilberto Gil. Gravadora Records, 1983. 2. CD “Encanto“, de Rita Benneditto, Gravadora Biscoito Fino, 2014.

Um comentário em “O encanto ‘extra’ de Rita Benneditto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s